Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Um gajo nunca mais é a mesma coisa

Um gajo nunca mais é a mesma coisa

Teatro & Arte | Teatro

T. M. Joaquim Benite

Sala Experimental
Classificação Etária
Maiores de 16 anos
Bilhete Pago
Todas as Idades
2021
out
27
a
2021
out
31

Próxima Sessão

27 out 2021 16:00
Dias
Hrs
Min
Seg

Duração

75 minutos

Promotor

Teatro Municipal Joaquim Benite

Breve Introdução

Aguerra colonial portuguesa que decorreu entre 1961 e 1974 em Angola, Moçambique e na Guiné Bissau é uma parte da História recente do País muito pouco abordada nas salas de aula das gerações nascidas após o 25 de Abril de 1974. E, apesar de ter marcado uma geração inteira, este conflito manteve-se até muito recentemente afastado dos palcos portugueses. No entanto, quiçá por via da proliferação dos estudos pós-coloniais surgidos nos meios universitários, esta guerra tem vindo a constituir o tema de alguns espectáculos de teatro documental surgidos nos últimos cinco anos. Vários criadores nascidos nas décadas de 70 e 80 têm-se confrontado com a participação de Portugal num conflito que, aos olhos de hoje, não pode deixar de parecer justo para os povos africanos que combatiam pela auto-determinação, e injusto para aqueles que lutavam pela manutenção de um império colonial anacrónico. Porém, quando se ouvem os testemunhos dos soldados que combateram, a realidade reveste-se de matizes que estão para além da dicotomia Bem/Mal com que frequentemente se encara esta guerra: poucas vezes se aborda o nosso passado recente tendo em conta o contexto geopolítico da época, assim como a realidade social do País. Um gajo nunca mais é a mesma coisa dá voz aos rapazes que foram mandados para África para combater outros rapazes, e que agora entram na fase derradeira das suas vidas. Apesar de se basear em relatos reais, é ficção. E, sendo ficção, poderá mais livremente interpelar a História e contribuir para a compreensão de um tempo difícil de imaginar para aqueles que já nasceram em liberdade. (nota do dramaturgo e encenador)

Ficha Artística

Texto e encenação de Rodrigo Francisco
Intérpretes Afonso de Portugal, João Farraia, Luís Vicente, Pedro Walter, Lara Mesquita
Cenografia Céline Demars
Figurinos Ana Paula Rocha
Luz Guilherme Frazão
Música Afonso de Portugal
Som Daniel Mendrico

Montagem Carlos Janeiro, Paulo Horta, Ivan Teixeira, Daniel Polho, Filipe Neves

Agradecimento Exército Português
Agradecimento especial Alexandre Pinheiro, Manuel Mendonça, José Vieira Casal

Informações Adicionais

Este espectáculo tem som de tiros, de helicópteros e luz estroboscópica

Preços

  • Geral - 10€

Transportes Públicos

Metro Sul do Tejo
TST

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda:

Verdi que te quero Verdi

Teatro & Arte | Infantil

T. M. Joaquim Benite

Sala Experimental

A força do hábito

Teatro & Arte | Teatro

T. M. Joaquim Benite

Sala Experimental